Ôhhh viagem - marca APASUL.

Pessoal será que este designer comeu, bebeu ou fumou o quê? Eu nunca ví nada parecido com esta argumentação/enrolação. Segue abaixo o texto na íntegra (sic):

"O que significa a logomarca do jornal da APA-SUL

Em junho de 1999, edição 84, publicamos pela primeira vez a logomarca deste jornal que foi desenvolvida pelo designer Júlio Cesar, a partir dos princípios que deveriam compor nossa identidade visual, ao refletir nossa visão de mundo. Na edição 86, pág. 9, descrevi os significados da logomarca, quais sejam. (quais sejam? o português doeu)

1 – o fundo elíptico significa que o universo atual está em expansão (não estático) a partir do big-ban – a grande explosão – ocorrida a 15 bilhões de anos. (nunca tinha visto por este ângulo)

2 – já as setas abertas e coloridas significam: a superior percepção milenar de que o palneta Terra era verde, percepção essa que só foi modificada por Yuri Gagarin, o primeiro homem a entrar em órbita em 1958, quando disse perplexo e estupefato: Nossa! A Terra é azul (coloração da seta inferior e o fundo também azul da elipse). (nossa! eu não sabia que o Yuri era tão poderoso).

3 – A descontinuidade das setas significa que a produção do saber ocorre por rupturas, como aforma Thomas Kuhn em seu livro “A estrutura das revoluções cientificas”e não somente por adições ao conhecimento anterior.(exemplos emblemáticos das rupturas: a heureká de Arquimedes, o significado imposto pela igreja a Galileu Galilei, a teoria da incerteza da mecânica quântica, de Werner Heisemberg). (viajou legal aqui)

4 – trocando em miúdos: nossa logomarca pretende refletir emblema ético e paradimático da nossa forma de ver, pensar e agora no mundo: nossas convicções e práticas que nos colocam todos em um mesmo “barco cósmico comum”, fruto do que somos da grande explosão (big bang) ocorrida há bilhões de anos. Coloca-nos irmãos, como diz Leonardo Boff, da lesma à galáxia mais distante. (que responsabilidade desta marca heim).

5 – Certamente estes paradigmas nos impõem uma nova ética sintetizada na expressão e na verdade de nossa “irresistível responsabilidade e amor por tudo que existe e vive”. Ex.: é possível nesta ética pescar ou caçar por esporte? Matar noutros seres vivos à toa, de graça?" (falou, falou e não disse nada de importante ou concreto, aliás, que marquinha xumbrega, horrenda mesmo...)

Comentários

  1. nossa, isso é uma defesa de logomarca ou são teorias de um folósofo! rs

    ResponderExcluir
  2. corrigindo.."filósofo"

    ResponderExcluir
  3. fico pensando... o que será que este cara fumou? tomou? ou coisa assim?

    oh viagem...

    bjs
    Lu

    ResponderExcluir

Postar um comentário