Alices, sempre podemos estar no país das Maravilhas.

AS ESCOLHAS DE ALICE por Luciana Fernandes

Fui com uma amiga assistir a estréia do filme Alice no país das Maravilhas de TIM Burton, em 3D. Uma adaptação do clássico de Lewis de Carrow de 1865. Patrícia e eu fomos ver de maneira despretensiosa. Eu, sem as grandes expectativas de conteúdo, estava preocupada com o aspecto plástico do filme, as minúcias de filmagem, cenário, maquiagem e edição. Fui satisfazer meu lado ávido de informação e pesquisa, para uma diretora de criação.
Mas, a melhor surpresa é que o filme tinha muito a me ensinar em relação ao dia a dia de ser mulher.
Na releitura Alice é uma jovem de 19 anos, não mais uma menina de 6. Fase da sua vida em que precisa tomar grandes decisões.
Nos primeiros instantes do filme Alice, na carruagem a caminho de uma festa, já mostra ser avessa aos regidos padrões da sua época por não se escravizar com as torturantes roupas de baixo desconfortáveis. Afinal por que alguém deve determinar o que ela tem de usar como roupa de baixo? Ponto para ela, em minha opinião isso vale para todas as peças de vestuário, detesto que me imponham uma moda.
Nesta festa Alice recebe um pedido de casamento, de um rapaz horroroso em todos os sentidos, exceto pelo fato de ser um lorde e poder dar-lhe uma falsa segurança de uma vida com dinheiro. Toda sociedade, sua mãe e a irmã lhe dizem que aceitar este casamento é o melhor a se fazer ou então ela ficaria sozinha e veria os seus dias passarem como uma abandonada louca que não cumpriu o que se esperava dela, credo...
Muito bem, a essa altura Piti e eu já estávamos nos preparando pra levantar e gritar que não era bem assim... Que a mulher é forte, capaz, inteligente e pode sim, como até deve, viver independente de qualquer homem, Apesar de ainda querer amar e ser amada como sou, por um.
Mas não foi preciso. Alice correu para criar um destino melhor. O Coelho Branco apareceu em sua frente e a desafiou a segui-lo por um caminho, até o tronco de uma árvore seca e velha, que como um portal a leva para um mundo subterrâneo, o país das maravilhas.
Depois de vários cresce-diminui-cresce-diminui para moldar-se as necessidades, Alice tem que responder a uma difícil pergunta: - Será que ela é a Alice certa? Bem, a essa altura é difícil eu não contar o filme quase todo, mas eu digo que essa é a grande questão: - Quem é, na verdade, você? Alice, Luciana, Patrícia, ou seja, lá qual for o seu nome. Você é a Alice certa para vencer o terrível monstro Jaguadarte em um Glorian Day? A resposta sempre estará dentro de você. Alguns podem lhe guiar como o Gato Sorridente, alguns até podem lhe ajudar como o enigmático e apaixonante Chapeleiro Maluco, mas, na hora da batalha será só você. Ser um campeão e empunhar uma espada, coisas ditas de menino que até estão no masculino, são sim para serem lutadas por Alices, assim como por você e por mim.
Ser amada ou temida? Ser dura e agressiva ou trazer um provável inimigo, que apenas tem carência de gentileza e amor, para ser seu aliado, também são escolhas, das que temos que fazer todos os dias. Eu nunca escolho ser temida e cortar cabeças como a Rainha Vermelha que não soube se aceitar.
Qual é a semelhança entre um corvo e uma escrivaninha? Essa era a pergunta que o Chapeleiro Maluco fazia várias vezes a Alice. Você quer saber a resposta? Ele não tinha a menor idéia... Assim como eu. Não era importante. Então vamos parar de nos prender a coisas sem importância e escolher, como a Alice, vencer o monstro. Não é fácil, mas é preciso vencer o monstro como um verdadeiro campeão e assumir a responsabilidade por toda a nossa vida.
E o noivo horrível? Ficou lá na festa, recebeu um sonoro não que deve estar ecoando até agora. Alice transgrediu e foi vencer a China, um mundo desconhecido, de navio e sozinha.
E o país das maravilhas? É Sonho ou realidade? É tão real quanto você o permitir ser, dentro de você.


Comentários

  1. Qual é a semelhança entre um corvo e uma escrivaninha?

    "Da boca do próprio Lewis Carrol (na minha versão do livro Alice): “Tantas vezes me foi perguntado se é possível imaginar alguma resposta para o Enigma do Chapeleiro que posso também registrar aqui o que me parece uma resposta claramente apropriada, qual seja: “Porque pode produzir algumas notas, embora sejam muito chatas; e nunca é posto de trás para a frente!” Isso, contudo, é uma mera reflexão posterior; o Enigma, tal como originalmente inventado, não tem resposta nenhuma.”" (yahoo resposta)
    kkkk via entender cabeça de autor rsrsrs ... mais apesar que coisas como essa pergunta que movem o mundo e fazem o ser humano evoluir por exemplo: fiquei muito curioso pra saber a resposta dai sai pesquisando olhando um monte de site até achar a melhor resposta o que no caso foi essa....

    ResponderExcluir
  2. oi Sandro,

    creio que esse foi o filme que mais mexeu comigo este ano de 2010, talvez pq nessa fase da minha vida estou revendo minha historia e fazendo mais escolhas e tentando desvendar outras tantas coisas.

    bjs
    Lu

    ResponderExcluir

Postar um comentário