FOTOGRAFIA | O Universo das Ruas em Preto e Branco por Julio Cesar Pires.



Um novo talento desponta e destaca-se no universo da fotografia, seu nome é Julio Cesar Pires, um jovem fotógrafo de trabalho maduro. Ao ver os momentos por ele eternizados em imagens, seja um casamento ou um book de gravidez, logo se vê que o estilo é único. A sua forma de ver o mundo é crítica, mas ao mesmo tempo artística, são fotos em que a paisagem, além dos modelos, faz uma participação fundamental na construção da imagem. O todo é a fotografia, não apenas o modelo em plano único. É preciso ver suas fotos além. É instigante e fascinante!

São os olhares dos fotógrafos e não as máquinas fotográficas que eles usam que fazem uma foto diferente de outra. Uma mesma paisagem pode se transformar em infinitos cenários de luz, cor e sombra.

E assim a rua pode ser a RUA que o Julio vê, com seus personagens quase anônimos. Seus olhares estão eternizados na exposição RUA.


Fotógrafo de Cachoeiro de Itapemirim – ES, Julio Cesar Pires tem despontado como uma das revelações da cultura sul-capixaba sendo sua segunda exposição, primeira individual. RUA é o título dado a este projeto, vencedor da Lei Rubem Braga, que apresenta 25 imagens em Preto e Branco dos personagens e objetos das ruas. Misturando técnicas de fotojornalismo com composições próprias das artes, o jovem fotógrafo demonstra uma empatia e uma capacidade de permitir ao fotografado ficar totalmente confortável enquanto ele registra aquilo que seria apenas mais um dia na rotina daquelas pessoas. A exposição terá sua abertura no dia 17 de dezembro, às 20h na galeria Levino Fanzeres situada no Palácio Bernardino Monteiro, Cachoeiro. A entrada é franca.


“Eu sou completamente apaixonado por fotografia em preto e branco, principalmente porque se cria um outro universo imagético através da ausência das outras cores. Meu trabalho imprime muito dos meus ideais, principalmente quando se trata de enxergar o próximo e o universo ao meu redor. Eu gostaria muito de fotografar passarinhos coloridos e fazer uma fotografia de fácil entendimento e de fácil consumo, mas não combina com o meu vocabulário e com minhas referências como fotógrafo. Quero que minha fotografia seja questionadora, primordialmente; Se ela for bela é consequência. A crítica e o questionamento sempre são as premissas” Diz Julio.


RUA teve início em 2010, quando Julio Cesar tinha apenas 19 anos de idade. Foi, inicialmente, um ensaio fotográfico de vendedores de rua para participar da exposição coletiva do Salão Estadual de Artes Levino Fanzeres de 2011, ocasião em que ganhou seu primeiro prêmio com fotografia. Após o prêmio, o fotógrafo continuou a registrar trabalhadores de rua, formando um corpo de trabalho ao longo de cinco anos. Hoje, aos 24 anos, o fotógrafo almeja que seu trabalho desperte em jovens, o desejo de produzir cultura e arte na região:

“Minha principal ambição com esta exposição é inspirar e fomentar jovens artistas. Antes de me profissionalizar, enxergava a área artística como algo bem distante porque existem poucos representantes jovens na cidade. Com esta exposição, pretendo desenvolver um trabalho junto às escolas, palestrando sobre o projeto, sobre o processo criativo e sobre os caminhos que podem ser trilhados na área artística em nossa região, no Estado e no país. Estudei toda minha vida em uma escola pública, e o contato dos alunos com qualquer expressão artística é muito fraco. A maioria dos alunos de escola pública estão sujeitos a algum tipo de risco social e eu acredito muito no poder transformador da arte e da cultura na vida das pessoas. Aproximar a arte da escola e de jovens - que raramente tem acesso a ofertas culturais - pode gerar o interesse de muitos deles em seguir na carreira”.


A exposição do artista conta com mais de 20 imagens de médio e grande formato, com tamanhos variando entre 60x90cm e 120x80cm. A curadoria da exposição ficou a cargo do Mestre em Artes Visuais e professor universitário Teófilo Augusto. As fotos ficam na Sala Levino Fanzeres, Palácio Bernardino Monteiro, de 17 de dezembro a 17 de fevereiro do próximo ano. Em março a exposição segue para o sul de Minas Gerais.



Foto: Divulgação

Comentários